segunda-feira, 23 de março de 2009

ANGELOLOGIA - PARTE 3


XIII. INFERNO

Do hebraico: Sheol ou Seol
Do grego: Hades, Geena, Tártaro
Do latim: Infernus

Sheol (hb) e Hades (gr): indicam lugar das almas perdidas até a segunda ressurreição.

A palavra Seol aparece 65 vezes no Antigo Testamento:

Gn 37.35 Jó 7.9 Sl 16.10 Sl 89.48
Gn 42.38 Jó 11.8 Sl 18.5 Sl 116.3
Gn 44.29,31 Jó 14.13,16 Sl 30.3 Sl 139.8
Nm 16.30,33 Jó 21.13 Sl 31.17 Sl 141.7
Dt 32.22 Jó 24.19 Sl 49.14,15 Pv 1.12
1Sm 2.6 Jó 26.6 Sl 55.15 Pv 5.5
2Sm 22.6 Sl 6.5 Sl 86.13 Pv 7.27
1Rs 2.6,9 Sl 9.17 Sl 88.3 Pv 9.18
Pv 15.11,24 Pv 30.16 Is 5.14 Is 28.15,18
Pv 23.14 Ec 9.10 Is 7.11 Is 38.10,18
Pv 27.20 Ct 8.6 Is 14.9,11,15 Is 57.9
Ez 31.15-17 Am 9.2 Sl 16.19
Ez 32.21,27 Jn 2.2
Os 13.14 Hc 2.5

A palavra Hades significa o mundo invisível das almas dos mortos. Ocorre 10 vezes no Novo Testamento.

Mt 11.23 Lc 10.15 At 2.27 Ap 1.18 Ap 20.13
Mt 16.18 Lc 16.23 At 2.31 Ap 6.8 Ap 20.14

A palavra Geena significa lugar dos corpos e almas dos perdidos depois do juízo final, também chamado o lago de fogo e segunda morte (Ap 20.11-15).

A palavra correspondente no Antigo Testamento é “vale do filho de Hinor”.

Vale de Hinor: Vale este fora da cidade de Jerusalém que servia de lixeira da cidade e onde queimavam os cadáveres de criminosos e de animais. Neste vale, os israelitas queimavam seus filhos em sacrifícios à Moloque.
As referências bíblicas nas quais aparece a expressão “vale do filho de Hinor”, corresponde à palavra grega Geena, são: Jr 32.35 e 2Cr 28.3.
Esse local se tornou símbolo do castigo eterno nas palavras de Jesus.
Mt 5.22,29,30; 10.28; 18.9; 23.15,33; Mc 9.43,45,47; Lc 12.5; Tg 3.6

A palavra Tártaro só é encontrada uma vez em 2Pe 2.4. Esfera intermediária onde os anjos caídos aguardam o julgamento final (cf Lc 16.23-26 e Ap 20.11-15).

a) Para quem foi feito o inferno?

- Jesus afirmou que o inferno é um lugar destinado ao diabo e seus anjos. Se qualquer pessoa for para lá, será contra a vontade de Deus.

- O homem no inferno é um intruso (Mt 25.41,46).

b) Pensamentos sobre o inferno

i) Seicho-no-ie

Satanás ou Diabo e o inferno não são existências verdadeiras, porque Deus não os criou. (“Fonte de Luz”, n.275, p.39, novembro de 1992).

ii) Igreja de Unificação

O princípio divino, segunda a Igreja de Unificação, afirma: “O objetivo final da providência divina de restauração é salvar toda a humanidade. Portanto, é a intenção de Deus abolir o inferno completamente, depois do término do período necessário para o pagamento completo de toda indenização”.

“Se o inferno permanecesse eternamente no mundo da criação, mesmo depois da realização do propósito do bem de Deus, o resultado disso seria contradição de um Deus imperfeito”.

iii) Adventismo do Sétimo Dia

(“O grande Conflito”, pp. 540-541, edição 1980, Ellen Gould White, Casa Publicadora Brasileira), afirma que: “Quão repugnante a todo sentimento de amor e misericórdia, e mesmo ao nosso senso de justiça, é a doutrina de que os ímpios são atormentados com fogo e enxofre num inferno eternamente a arder; que pelos pecados de uma breve vida terrestre sofrerão tortura enquanto Deus existir! Contudo esta doutrina tem sido largamente ensinada, e ainda se acha incorporada em muitos credos da Cristandade”.

iv) Ciência Cristã

(“Ciência e Saúde com a chave das Escrituras”, p.588, edição 1973, editado pela The First Church of Christ, Scientist – Boston-MA/EUA) acredita que o inferno é: “Crença mortal; erro; luxúria; remorso; ódio; vingança; pecado; doença; morte; sofrimento e autodestruição; agonia que a pessoa impõe a si mesma; efeitos do pecado; aquilo que pratica abominação e mentira”.

v) Meninos de Deus / Família do Amor

(Revista “Céu, Inferno e Intermédio”, n.1466 – GP) informa: “Todos os homens, em todos os lugares, todos os bilhões que já viveram, finalmente serão restaurados e reconciliados! Isso não se encaixa no quadro de um Deus verdadeiramente justo e misericordioso e todo amoroso? O plano de Deus não vai ser derrotado! Ele vai remir toda a humanidade e todos os homens! Como diz a Escritura – Todos serão salvos.


vi) Testemunhas de Jeová

- O inferno é, para o homem natural, uma verdadeira aberração, incompatível com a declaração bíblica de que Deus é amor (1Jo 4.8), afirmam as testemunhas de Jeová.

- Apresentam os seguintes argumentos contra o inferno: Acreditam ser o inferno um lugar de descanso, afirmando: “Se xeol é sepultura, é impossível ser ao mesmo tempo um lugar de tortura pelo fogo e ao mesmo tempo uma cova.

- Interpretam xeol (hb) e hades (gr) como sendo simplesmente sepultura ou túmulo.

- Na TNM (Tradução do Novo Mundo), deixaram de traduzir a palavra seol, apenas a transliteraram, ou melhor, somente a “aportuguesaram”.

- Refutação

Existem palavras hebraicas específicas para sepultura, kever e kevurah (Ex 14.11; Is 14.19; Sl 88.11; Is 22.16).

- Keber (hb): lugar de sepultura ou sepultura (Gn 23.4).

- K’boorah (Hb): sepultura, lugar da sepultura, sepulcro (Gn 35.20; Dt 34.6).

- Mnema (gr): túmulo (Mc 5.2,3; Lc 23.53; At 2.29).

- Seol e Hades não podem significar sepultura, dado que sepultura ou túmulo é um “lugar visto”, enquanto Seol e Hades significam “lugar não visto”.

- Diferenças entre Seol/Hades e Kever-Kevurá/Mnema-Mnemeion

i) Enquanto Jonas comparou suas angústias no ventre do grande peixe como sendo o Seol, demonstrando ser um lugar de consciência (Jn 2.1,2) no Kever o corpo está inconsciente.

ii) Enquanto Seol/Hades só aparece no singular, kever aparece no singular e no plural (sepultura, sepulturas – Ex 14.11).

iii) Enquanto Kever/Mnema sempre é relacionado ao corpo, Seol/Hades só é mencionado em relação ao espírito e à alma (Lc 16.22-25).

iv) Enquanto não há nenhuma referência à alma descendo ao Kever/Mnemeion (sepultura) e o corpo ao Seol/Hades, há referências à alma indo ao Seol/Hades (Lc 16.22,23).

v) Enquanto na morte de Jesus seu corpo foi ao Kever (Is 53.9), no grego Mnemeion (Jo 19.41,42), a sua alma foi ao Seol (Sl 16.10), no grego Hades (At 2.27).

c) Inferno – local de sofrimento e não de descanso

Mt 13.42; Mt 18.8; Lc 16.22-25; Ap 14.9-11; Ap 19.20; Ap 20.10

Um comentário: