quinta-feira, 3 de setembro de 2009

CAZUZA, EXEMPLO DO QUE?



Esse cidadão dizia "todos os meus heróis morreram de overdose". E era aplaudido!

Uma psicóloga que assistiu ao filme CAZUZA escreveu o seguinte texto:

Fui ver o filme Cazuza há alguns dias e me deparei com uma coisa estarrecedora.. As pessoas estão cultivando ídolos errados..

Como podemos cultivar um ídolo como Cazuza?

Concordo que suas letras são muito tocantes, mas reverenciar um marginal como ele, é, no mínimo, inadmissível.

Marginal, sim, pois Cazuza foi uma pessoa que viveu à margem da sociedade, pelo menos uma sociedade que tentamos construir (ao menos eu) com conceitos de certo e errado.

No filme, vi um rapaz mimado, filhinho de papai que nunca precisou trabalhar para conseguir nada, já tinha tudo nas mãos. A mãe vivia para satisfazer as suas vontades e loucuras. O pai preferiu se afastar das suas responsabilidades e deixou a vida correr solta.

São esses pais que devemos ter como exemplo?

Cazuza só começou a gravar porque o pai era diretor de uma grande gravadora..

Existem vários talentos que não são revelados por falta de oportunidade ou por não terem algum conhecido importante.

Fiquei horrorizada com o culto que fizeram a esse rapaz, principalmente por minha filha adolescente ter visto o filme.

Precisei conversar muito para que ela não começasse a pensar que usar drogas, participar de bacanais, beber até cair e outras coisas, fossem certas, já que foi isso que o filme mostrou.

Por que não são feitos filmes de pessoas realmente importantes que tenham algo de bom para essa juventude já tão transviada? Será que ser correto não dá Ibope, não rende bilheteria?

Devo lembrar aos pais que a morte de Cazuza foi consequência da educação errônea a que foi submetido. Será que Cazuza teria morrido do mesmo jeito se tivesse tido pais que dissessem NÃO quando
necessário?

Lembrem-se, dizer NÃO é a prova mais difícil de amor.

Não deixem seus filhos à revelia para que não precisem se arrepender mais tarde. A principal função dos pais é educar.. Não se preocupem em ser 'amigo' de seus filhos.

Eduque-os e mais tarde eles verão que você foi a pessoa que mais os amou e foi, é, e sempre será, o seu melhor amigo, pois amigo não diz SIM sempre.'

Karla Christine
Psicóloga Clínica

8 comentários:

  1. Postagens sempre relevantes, dignas da nossa reflexão destaca o teor inspirativo deste blog.
    A psicóloga supracitada diagnosticou um dos males mais degenerativos da nossa sociedade: " A DOENÇA DOS MODELOS ". O que esperar de uma geração que cresce sem referências morais, que forjam "heróis" nos reality shows e cultuam a imagem em detrimento do caráter.
    Este texto me remeteu ao livro de Juízes cap.2:7a 10 que retrata a tragédia de uma geração que não herdou referências espirituais nem conheceu modelos de obediência.
    Deus o abençoe Ev. Eliel Gaby e a todos os leitores deste blog!

    ResponderExcluir
  2. Prezamado Eliel Gaby,

    A Paz do Senhor!

    Não é de se espantar, mas sentimos tristeza pela cegueira espiritual que cerca a milhares de criaturas, que perdem o direito de Salvação.

    Afinal, os heróis do mundo, são os contrários aos orientados e ensinados por Deus, através de sua Palavra, para uma condição necessária ao entendimento e ao discernimento nesta vida, e principalmente a visão correta do valor da vida.

    O mundo possue os heróis e a igreja, por vezes, se distrai, e perde os seus valores que deveriam ser copiados por muitos famintos e sedentos de justiça, que não sabem expressar seus sentimentos, neste mundo que jaz no malígno.

    Enquanto os programas evangélicos aos montes e aos montões se distraem na TV, muitos estão aceleradamente à caminho da perdição eterna.

    Quem são os culpados desta desgraça? Creio que se tomassemos a iniciativa com denúncias e eliminarmos, muitos que estão à sombra do poder ministerial, teríamos com certeza, o melhor de LUZ e SAL para o mundo, que anda nas trevas e sem nenhum paladar.

    Precisamos rever imediatamente a maneira correta de seguir a Jesus, sendo cópias para o mundo, como foi o nosso irmão apóstolo Paulo.

    Somos culpado!

    O Senhor seja contigo!

    pr. Newton Carpintero
    www.pastornewton.com

    ResponderExcluir
  3. Creio que a psicóloga fez a leitura que lhe convinha do filme. Na verdade o que filme mostra é que se seguir-mos pelo caminho que Cazuza trilhou, estaremos perto da morte ou de uma degradação sem volta. A mensagem do filme não foi de apologia a uma vida desregrada, mas sim às consequencias dela. Cazuza teve a liberdade de escolha, escolheu errado por falta de orientação. Sua morte serviu para alertar uma geração inteira que pode se redimir e procurar outros caminhos, alguns dentro da religião. Infelizmente é assim que caminha a humanidade, com erros e acertos. Ou alguém aqui, em algum tempo de suas vidas não cometeu um ato pelo menos censurável?

    ResponderExcluir
  4. Não conheci a real história de Cazuza,Crítica sempre existiu e vai continuar existindo,mas infelizmente o filme não é bom paraadolescentes asistirem, pois um ser que está em fase de formação sempre vai assimilar o lado obscuro da vida de Cazuza,onde um Adolescente ainda não tem senso de fazer a sua própria escolha,Cazuza foi um retrato do filho que não soube fazer a escolha correta,existem apenas (dois) caminhos,o que conduz o jovem a uma vida digna, e o que conduz as ruínas. O que observamos hoje em nosa sociedade são vários Cazuza infelizmente.
    "O vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; e todo aquele que nele errar nunca será sábio"

    ResponderExcluir
  5. Deus está morto, como Nietzsche bem falava.
    Cazuza percebeu isso e transmutou os seus valores.Houve o rompimento de quaisquer correntes morais neoplatônicas que negassem a vida terrena em prol de um paraíso ininteligível.

    Compreendendo que ao pó sempre se retorna, não se importou muito em como levar a vida .Mas uma coisa é certa : só existiu uma vez.E levou ao máximo sua existência, corporalmente adequada a apenas poucas décadas de vida.
    Paradoxalmente, conseguiu seu lugar ao sol.

    ResponderExcluir
  6. Bem senhor Eliel,

    Quando comecei a ler esse post me indignei com o conteúdo, primeiro por se tratar de um cantor que gosto muito, segundo por ter informações erradas e inconsistentes sobre o mesmo. Me indignou uma psicologa apontar tantas falhas em uma criatura que ela provavelmente não teve contato nenhum, sendo assim, não conhece a historia real por traz do que a mídia expôs. Digo isso por que sou estudante de psicologia e, digo com propriedade, fazer uma faculdade de psicologia não significa que você tenha a verdade absoluta sobre alguém. Ponto.

    Para não falar besteira, procurei o nome desta Psicologa e não achei nada relevante escrito por ela, alem das duras criticas que ela teceu a respeito do cantor.

    Então desconsiderei o que ela disse. Cheguei a essa conclusão também por este ser um blog evangélico, então, recolho a minha humilde condição de respeitadora de opiniões e termino meu comentário aqui.

    ResponderExcluir
  7. Prezada Anne, obrigado por seu comentário. Respeito seu posicionamento, porém, fiquei em dúvida com a referência da conclusão obtida por se tratar de um blog evangélico.

    ResponderExcluir
  8. As pessoas apenas jogam palavras ao vento sem tomar conta da repercussão que isso pode tomar.Infelizmente julgar quem já está morto é fácil o dificil é saber a realidade do dia a dia que esta pessoa viveu,não podemos tomar como base apenas um filme.
    paz com todos

    ResponderExcluir