terça-feira, 15 de junho de 2010

O RANKING DO BULLYING NO BRASIL



Há algum tempo, venho alertando em palestras especiais para jovens, adolescentes e pais, os perigos do bullying. Grande parte dos pais nem imagina o que seja isso. Já encontrei várias situações de jovens da igreja envolvidos. Postei também, no ano passado, aqui neste blog, uma referência aos perigos de games de bullying. Abaixo, reproduzo a matéria do Jornal Gazeta do Povo, de 15/06/10:

Pesquisa realizada pelo IBGE apontou Brasília como a capital do bulliyng. Segundo o estudo, 35,6% dos estudantes entrevistados disseram ser vítimas constantes da agressão. Belo Horizonte, em segundo lugar com 35,3%, e Curitiba, em terceiro lugar com 35,2 %, foram, junto com Brasília, as capitais com maior frequência de estudantes que declararam ter sofrido bulliyng alguma vez.

O bullying compreende comportamentos com diversos níveis de violência que vão desde chateações inoportunas ou hostis até fatos agressivos, sob forma verbal ou não, intencionais e repetidas, sem motivação aparente, provocado por um ou mais estudantes em relação a outros, causando dor, angústia, exclusão, humilhação e discriminação.

A população-alvo da pesquisa foi formada por estudantes do 9º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) de escolas públicas ou privadas das capitais dos estados e do Distrito Federal. O cadastro de seleção da amostra foi constituído por 6.780 escolas.

Durante a pesquisa, foi feita a seguinte pergunta aos estudantes: "Nos últimos 30 dias, com que frequência algum dos seus colegas de escola te esculacharam, zoaram, mangaram, intimidaram ou caçoaram tanto que você ficou magoado, incomodado ou aborrecido?”

Os resultados mostraram que 69,2% dos estudantes disseram não ter sofrido bullying. O percentual dos que foram vítimas deste tipo de violência, raramente ou às vezes, foi de 25,4% e a proporção dos que disseram ter sofrido bullying na maior parte das vezes ou sempre foi de 5,4%.

No ranking das capitais com mais vítimas de bullying, aparecem ainda Vitória, Porto Alegre, João Pessoa, São Paulo, Campo Grande e Goiânia. Teresina e Rio Branco estão empatadas na 10ª posição. São Paulo ocupa a 7ª posição.

Palmas apresenta o melhor resultado da pesquisa. Na capital do Tocantins, 26,2 % dos estudantes afirmaram ter sofrido bullying. Em seguida, estão Natal e Belém, ambas com 26,7%, e Salvador, com 27,2%.

Providências

Em Brasília, o maior número de casos ocorreu nas escolas particulares: 35,9%, contra 29,5% nas escolas públicas. Segundo a pesquisa, o bullying é mais frequente entre os estudantes do sexo masculino (32,6%) do que entre os escolares do sexo feminino (28,3%).

Para combater o problema, o governo do Distrito Federal (GDF) criou Conselhos de Segurança nas escolas. “Vamos resolver os nossos conflitos tendo como mediadores os nossos colegas, professores e os pais”, disse a subsecretária de Educação Integral Ivana Santana Torres. "Os estudantes também estão recebendo aulas de respeito à diversidade. Mas o resultado disso precisa também da vigilância dos pais", completou.

“Nós temos prestado atenção nisso, nós temos o Observatório da Violência nas escolas particulares, temos capacitado os professores, pais e alunos para essa questão do bulliyng”, afirmou a presidente dos Estabelecimentos Particulares de Ensino Amábile Pácios.

Fonte: Jornal Gazeta do Povo - 15/06/2010, disponível em http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1014344&tit=Curitiba-e-a-3-capital-com-maior-frequencia-de-bullying-diz-pesquisa-do-IBGE.
Acesso em 15/06/2010.

Um comentário:

  1. Prezamado pr. Eliel Gaby,

    A paz do Senhor!

    A pratica do "Bulliyng", estará aumentando o ritmo da violência com a construção de novas sugestões, proporcionadas pela maldade, cada vez maior, em muitos corações alienados e enfermos com a degradação familiar fragilizada, com a influência da globalização através da cada vez mais inflamada tecnologia cibernética.

    Infelizmente as autoridades, não se dão conta do fracasso que causa ao futuro do aluno, a sua prática constante e maldosa.

    Nada realizam de concreto para com eficiência causarem ao menos o constrangimento necessário que permita reduzir, esta prática ao nível mais humano, social e sem traumas.

    Segue o site: www.kidpower.org

    A quem interessar, basta somente traduzi=lo para o português, com algumas orientações sobre este desprogresso social, praticado dentro das escolas e infelizmente, nas com maior capacidade em reunir alunos com melhor renda familiar. Triste!

    O Senhor seja contigo, nobre pastor!

    O menor de todos.

    ResponderExcluir