quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A interferência da Ordem dos Músicos do Brasil nas igrejas



31/08/2010 - Ministério Público Federal pede à Justiça que Ordem dos Músicos do Brasil não interfira em atividades musicais religiosas.

Fiscalização da OMB em eventos religiosos vai contra direito à livre expressão artística e ao livre exercício religioso.

O Ministério Público Federal, pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, propôs uma ação civil pública, com pedido de liminar, para a Justiça condenar o Conselho Federal da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) a não mais praticar qualquer ato, em todo o território nacional, que possa impedir ou atrapalhar a realização de eventos musicais e religiosos nos templos, igrejas e outros ambientes similares, bem como aplicar multas, mediante a exigência de inscrição dos membros dessas instituições religiosas no Conselho.

O MPF apurou a ilegalidade da fiscalização exercida pela OMB em templos e igrejas de outros cultos a partir de uma cópia dos autos do Mandado de Segurança nº 2009.61.00.018013-4, impetrado na Justiça Federal de São Paulo pela Igreja Pentecostal Deus é Amor, contra Conselho Regional da OMB no Estado de São Paulo.

Segundo consta no documento, em junho de 2009, na Sede Mundial da referida Igreja, a banda que participava dos cultos foi surpreendida por uma fiscal da OMB, que impediu, mediante uma série de ameaças, que os músicos e a orquestra amadora executassem o repertório musical. A Igreja dirigiu-se ao Conselho Regional da OMB em São Paulo e não foi autuada pela apresentação impedida pela fiscal.

No entanto, a Igreja foi novamente ameaçada de que, caso insistisse na apresentação musical em suas instalações por músicos não credenciados perante a OMB, seria obrigada a pagar multa. A Igreja ainda foi incumbida de fiscalizar se os cantores e músicos estavam ou não associados na OMB. No caso em questão, o mandado de segurança foi julgado procedente pela Justiça.

O MPF solicitou informações à OMB sobre as fiscalizações nos templos religiosas, que respondeu que as bandas que se apresentam em atos religiosos estariam promovendo shows disfarçados de atividades e ritos religiosos. A alegação confirma a acusação de que o Conselho Profissional procede com fiscalizações e autuações durante apresentações musicais em templos e igrejas, exigindo dos respectivos músicos a inscrição junto ao órgão da classe, assim como o pagamento da respectiva taxa, conforme os artigos 16 e 17 da Lei nº 3.857/1960.

Para o Procurador Regional dos Direitos do Cidadão Jefferson Aparecido Dias, autor da ação, é flagrante o “descumprimento de normas constitucionais que asseguram o direito à liberdade artística e ao livre exercício do culto religioso”. O procurador ressalta ainda de tratar-se de uma “ Violação a dois direitos fundamentais de grande envergadura”.

O MPF também requer que, em caso de descumprimento de suas obrigações, a OMB seja multada em valor sugerido de R$10 mil reais a cada prática regular, a partir do deferimento do pedido de liminar.

AÇÃO EM 2005 - Na peça, o procurador ressalta que, em 2005, a Procuradoria da República em São Paulo moveu Ação Civil Pública contra a OMB e a União, combatendo a exigência de inscrição para a atividade de músico e a cobrança da anuidade por seus membros.

Na ocasião, a Justiça julgou procedente o pedido da ação, quando entendeu que a Lei nº 3.857/60 não exige registro do músico para o exercício de sua profissão quando as apresentações ocorrem em bares, lanchonetes, restaurantes e assemelhados, não mencionando os templos religiosos. O registro é obrigatório apenas nas áreas que se exige habilidade técnica e formação específica para a atividade profissional.

Nos casos abrangidos pela ação atual, a exigência seria abusiva. Segundo Dias, “é evidente que não se pode exigir dos músicos e pessoas que se apresentam em cultos de templos, igrejas e outros ambientes congêneres a habilitação técnica e formação específica para suas atividades”.

Para o MPF, ao impedir que as pessoas cantem hinos, louvores e outros cânticos em seus segmentos religiosos e de crenças, por não estarem inscritos em determinado Conselho Profissional, consuma-se grave atentado à livre manifestação artística e religiosa.

ACP nº 00118373-44.2010.4.03.6100, distribuído à 1ª Vara Federal Civil de SP.

Fonte: http://www.prsp.mpf.gov.br/prdc/sala-de-imprensa/noticias_prdc/31-06-10-mpf-pede-a-justica-que-ordem-dos-musicos-do-brasil-nao-interfira-em-atividades-musicais-religiosas

2 comentários:

  1. Caro Pr Eliel.
    Fico feliz de encontrar um blog que aborde de forma claro temas tão importantes da nossa fé.
    Paz do Senhor e parabéns pelo seu blog.
    Marcos.
    Visite o meu blog:
    marcostedesco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Pastor Eliel

    gosteii muito da sua pregação na IBJ =)
    que Deus te abençoe muito a cada dia mais

    meu orkut é moraessandy@hotmail.com add lá p sermos amigos em cristo Jeusus !!

    Sandy Moraes

    ResponderExcluir