quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

PASTORES EM PERIGO - ENTREVISTA COM JAIME KEMP



Entre os diversos livros de sua autoria, estão “Pastores em Perigo” e “Pastores ainda em perigo”. O que o senhor define como os maiores “perigos” a que os pastores estão sujeitos?

Jaime Kemp - Gostaria de destacar entre outros, três perigos específicos que rondam a vida e ministério dos pastores: 1 - a facilitação ao desenvolvimento de casos extra-conjugais; 2 - o orgulho que ataca o coração dos pastores principalmente quando suas igrejas são bem sucedidas e crescem em membros. É muito fácil, então, eles se sentirem no direito de dominar seu rebanho em vez de servi-lo; 3 - a incapacidade de equilibrar o tempo entre o ministério e a família. Os pastores têm a tendência de casar com o ministério. É aí, então , que cometem adultério, pois já possuem uma esposa.

Há várias pesquisas e estudos que demonstram pastores que trabalham excessivamente, vivendo nos limites do esgotamento. O que o senhor pensa sobre isso?

Jaime Kemp - O maior problema que eu vejo em um pastor trabalhar excessivamente é a ameaça que isso causa à sua auto-estima. Intimamente, ele acha que precisa "mostrar serviço", isto é, o seu sucesso ministerial está visceralmente ligado ao seu desempenho. À medida que as exigências se acumulam e ele não consegue mais cumpri-los, este pastor começa a sentir que não está correspondendo como deveria, e isso prejudica sua auto-estima. Contudo, sua identidade não está atrelada àquilo que ele consegue fazer ou não, mas a Cristo.

Na sua opinião, por que sentimentos como fracasso e solidão prevalecem na vida de tantos pastores chegando a ponto de terem seus ministérios destruídos?

Jaime Kemp - Quando a solidão e o sentimento de fracasso pesam no coração de um pastor, colocando em risco seu ministério, é muito comum descobrir que ele não tem amigos, colegas de sua própria denominação evangélica com quem possa desabafar, compartilhar, chorar, prestar contas e ouvir palavras de encorajamento para sua vida e ministério. Além disso, sua solidão pode se transformar em armadilha que, às vezes, o fará cair em adultério.

Existe uma expectativa, muitas vezes irreal, a respeito da conduta não só dos pastores mas também de suas famílias, como se não pudessem ter problemas ou defeitos. É possível desmistificar isso na igreja? Seriam os pastores os próprios responsáveis por esta visão equivocada?

Jaime Kemp - As expectativas congregacionais colocam uma pressão injusta sobre o pastor e sua família. Há uma forte exigência para que eles sejam modelos em tudo. O problema de o rebanho encarar o pastor e sua família como gigantes espirituais é por só escutarem deles experiências de vitórias e nunca um compartilhamento sobre um fracasso ou franqueza. O triunfalismo da vida dos líderes.

Através do Ministério Lar Cristão o senhor ministra um curso visando o equilíbrio entre a vida familiar e a ministerial intitulado “Corda Bamba”. Por que este nome?

Jaime Kemp - Porque o pastor precisa equilibrar sua vida entre o ministério, sua esposa e filhos. Muitos deles não sabem como fazê-lo, a preço de verem seu relacionamento familiar praticamente destruído ao abrirem esta brecha ao diabo.

Que estratégias as igrejas podem adotar para ajudarem os líderes e pastores a encontrarem esse equilíbrio?

Jaime Kemp - As igrejas podem encorajar seus líderes e pastores a:
- freqüentarem cursos como o curso "Pastores na corda bamba";
- respeitarem o "dia do pastor". Isto quer dizer que o dia é reservado a ele e à família. Não devem atender telefone, dar plantão na igreja, receber ou fazer visitas e assim por diante;
- separarem duas noites por semana para ficar sua família;
- a igreja deve estimular o pastor a reciclar-se, freqüentando congressos, simpósios, seminários, etc.;
- a igreja precisa respeitar a privacidade do pastor e da sua família, lembrando que a casa pastoral não é um hotel ou restaurante.

Com a exposição de tantos escândalos envolvendo a vida de pastores, nacional e internacionalmente, o senhor acredita que a figura do pastor já não é um referencial tão respeitado?

Jaime Kemp - A figura do pastor tem sido maculada. Muitos consideram que vários pastores estão no ministério por motivos financeiros. Outros acham que eles estão lá porque não encontram outro trabalho mais interessante. Há uma ausência de integridade e seriedade para com o chamado de Deus.

FONTE: http://www.institutojetro.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário