quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Adoração de Anjos




Haziel, Caliel, Lecabel, Manakel, Mumiah, Ierathel, Omael, Mitzrael, estes são apenas oito nomes de anjos de uma classe de setenta e dois retirados da Cabala Judaica e dispostos no livro Anjos Cabalísticos de Mônica Buonfiglio que, aliás, à época de sua publicação, vendia cerca de três mil exemplares por dia!

Cada um desses anjos, assim como os signos do zodíaco, estão classificados e relacionados aos meses e aos dias da semana, a fim de que os consulentes descubram o seu “anjo da guarda” e a ele preste culto, de acordo com sua data de nascimento. Exércitos de pessoas foram arrebanhadas por essa “nova ordem” cúltica dos fins dos tempos.

Os anjos são invocados, pessoas pregam em nome deles, ministram terapias e evocam curas através de seus poderes. Afirma-se que estão mais próximos de nós do que Deus, e que resolveram revelar-se no fim dos tempos para ajudar a humanidade. O sol ainda não havia se posto no horizonte do ceticismo quando foi eclipsado pelas crenças desenfreadas nos gnomos, duendes e pedras energéticas e, agora, ao que parece, nos anjos.

O sofisma esotérico de que os anjos estão mais próximos de nós do que Deus, e por isso, são intermediadores entre o mundo espiritual e terrenal, não é novo. Na igreja em Colossos (2.18) Paulo debatia contra as religiões de mistério da antiga Grécia que afirmavam que os demiurgos ou aeons (seres espirituais entre os homens e Deus) estavam mais próximos de nós do que Deus. Os gnósticos tentaram introduzir esse falso ensino na igreja cristã. Os iniciados, os conhecedores dos mistérios mais profundos, eram os que cultuavam e reverenciavam os seres angélicos. Na cidade de Colossos, todos conheciam a lenda de que o arcanjo Miguel era o responsável pela existência do rio Lico. Por essa razão, um templo fora construído em sua homenagem às margens do rio da cidade.


Justino Mártir (século II) informa-nos de que alguns crentes veneravam as hostes dos anjos bons. No século IV, o culto aos anjos tornou-se uma prática generalizada entre a cristandade, da qual o arcanjo Miguel era o anjo principal. A proeminência dos seres angélicos nota-se até mesmo na arte da Igreja Medieval, principalmente no período lúgubre da Igreja, descrita pelos iluministas como a “Era das Trevas”. 


Na modernidade ainda jorra um filete acanhado dessa vertente gnóstica nalgumas igrejas cristãs, principalmente pentecostais e neopentecostais. Nessas comunidades, a declaração da presença de um anjo ou uma visão deste arrebata freneticamente os cristãos, muito mais do que a exposição das Escrituras Sagradas. Nessas combalidas comunidades os anjos são canonizados através dos cânticos, dos chavões, da linguagem mítica e hierofânica. Os membros de algumas dessas igrejas são incentivados a terem experiências místicas com seres celestes – evoca-se mais a presença deles do que a do próprio Cristo que os criou (Cl 1.16,17; 2.18). É a igreja perdendo a direção e prioridade na modernidade tardia (Ef 3.10). Todavia, Paulo advertiu a igreja que estava em Colossos contra o culto aos anjos, e principalmente a respeito dos mestres e pregadores itinerantes que, sob a máscara da humildade, deturpavam o direito do próprio Deus – o culto, adoração.


O Apóstolo João, que recebeu na História da Igreja a alcunha de “o Divino”, por ser considerado o mais espiritual e místico dentre os apóstolos, no esplendor da glória que lhe havia sido revelada no Apocalipse, foi repreendido por duas vezes por um anjo, ao prostrar-se aos pés do que lhe falava a fim de adorá-lo: “Vê, não faças isso; sou conservo teu e dos teus irmãos que mantêm o testemunho de Jesus; adora a Deus.” (Ap 19.10 cf. Ap 22.8,9). Isto confirma que os anjos são seres criados, conservos daqueles que guardam o testemunho de Cristo, espíritos que ministram a favor dos que herdarão a vida eterna, e por isso, não devem ser adorados. A verdadeira espiritualidade está na adoração centrada em Deus e somente nEle.


Cabem aqui as sensatas palavras de William Baker que afirmou: “Existe uma única maneira de desmitologizar as fantasias populares a respeito dos anjos – voltar à realidade bíblica”. Não me admiro de que o mundo não conheça a doutrina bíblica dos anjos, pois os próprios crentes a têm ignorado.


Um comentário:

  1. Prezado Pr. Eliel, boa referência. Devemos dar aos anjos o lugar que merecem na história e na Bíblia, como cuidadores dos santos. A adoração somente a Deus!

    ResponderExcluir