quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Conferência Teológica na A.D. Curitiba



Informações: Faculdade Cristã de Curitiba - Rua Mariano Torres, 110 / Centro - Curitiba/PR
(41) 3232-3711

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Fumar maconha na adolescência reduz capacidade intelectual


Início precoce e uso contínuo da droga gerou declínio médio de 8 pontos nos testes de quociente de inteligência (QI) entre os 13 e os 38 anos.

Adolescentes que se viciam em maconha antes de chegarem aos 18 anos podem estar provocando lesões permanentes em inteligência, memória e atenção, segundo os resultados de um grande estudo publicado nesta segunda-feira.

Pesquisadores da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos descobriram que o uso persistente e dependente da maconha antes dos 18 anos de idade pode ter um efeito neurotóxico, mas que o uso frequente de maconha depois dos 18 anos parece ser menos prejudicial ao cérebro.

Uma professora de psicologia e neurociência no Instituto de Psiquiatria do King's College de Londres, Terrie Moffitt, disse que o alcance e a duração do estudo, que envolveu mais de 1.000 pessoas acompanhadas por mais de 40 anos, davam peso adicional aos resultados.
"É um estudo tão especial que estou bem confiante de que a maconha é segura para quem tem mais de 18 anos, mas um risco para quem tem menos", ela disse.

Antes dos 18 anos o cérebro ainda está sendo organizado e remodelado para se tornar mais eficiente, e pode ser mais vulnerável a danos das drogas, acrescentou.

Moffitt trabalhou com Madeleine Meier, uma pesquisadora de pós-doutorado da Universidade Duke nos Estados Unidos, analisando dados de 1.037 neozelandeses que participaram do estudo. Cerca de 96% dos participantes originais continuaram no estudo de 1972 até hoje, ela explicou.

Aos 38 anos, os participantes foram submetidos a uma bateria de testes psicológicos para avaliar sua memória, velocidade de processamento, racionalização e processamento visual. Os que usaram maconha de forma persistente quando adolescentes tiraram notas significantemente piores na maior parte dos testes.

Amigos e parentes regularmente entrevistados como parte do estudo tinham mais propensão a relatar que os fortes usuários de maconha tinham problemas de memória e de atenção, como perda de foco e o esquecimento de tarefas.

Os pesquisadores também descobriram que pessoas que começaram a usar maconha na adolescência e continuaram durante anos mostravam um declínio médio de 8 pontos nos testes de quociente de inteligência (QI) entre os 13 e os 38 anos.

"As pessoas submetidas ao estudo que não usaram maconha até serem adultas e terem o cérebro totalmente formado não mostraram declínios mentais similares", disse Moffitt.

Ela disse que o declínio do QI não podia ser explicado pelo uso de álcool ou de outras drogas ou por ter menos educação, e Meier disse que a variável chave era a idade que as pessoas começaram a usar maconha.

Meier afirmou que a mensagem do estudo era clara: "a maconha não é inofensiva, principalmente para os adolescentes".

* Por Kate Kelland

Fonte: Jornal Gazeta do Povo. 28/08/2012.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

O ateísmo "paz e amor" de Rebecca Goldstein



Em entrevista ao site de VEJA, a "ateia com alma" Rebecca Goldstein critica o radicalismo de crentes e descrentes e comenta seu novo livro, uma saborosa "cilada" para os fanáticos de ambos os lados.

Uma ateia em missão de paz. É assim que Rebecca Goldstein, doutora em filosofia pela Universidade de Princeton e pesquisadora na área de psicologia em Harvard (EUA), se posiciona nas discussões, sempre acaloradas, entre ateus e religiosos.

Em seu novo livro, 36 Argumentos Para a Existência de Deus (Companhia das Letras, tradução de George Schlesinger, 536 páginas, 59 reais), Rebecca faz uma crítica ao radicalismo de ambos os lados. E um convite à conciliação. "Ateus têm que deixar o pedantismo de lado e parar de dizer como os religiosos devem pensar", diz ao site de VEJA. "E religiosos têm que parar de pensar que ateus são imorais e não sabem a diferença entre o bem e o mal."

Mistura de romance, ensaio filosófico e divulgação científica, 36 Argumentos... é uma saborosa provocação - para crentes e descrentes - dividida em duas partes. Na primeira, conta a história do "ateu com alma" Cass Seltzer, um psicólogo subitamente famoso por causa de um livro em que refuta... 36 argumentos sobre a existência de Deus. Ao final da aventura de Seltzer, que inclui experiências transcendentais, um apêndice reúne os 36 argumentos e os desmonta, um a um, com base em razões da biologia, astronomia, geologia, matemática, filosofia...



De que Deus a senhora fala em 36 Argumentos...? É o Deus das religiões abraâmicas - Judaísmo, Cristianismo e Islamismo -, que tem três características principais. Primeiro, esse Deus existe fora do espaço e do tempo e decidiu criar o mundo e as leis da natureza a partir do nada. Segundo, ele tem um interesse moral nesse mundo — na diferença entre o bem e o mal, naquilo que devemos ou não fazer. Por fim, esse Deus interfere nesse mundo por meio de revelações, escrituras ou milagres.

A senhora acredita nesse Deus que acabou de descrever? Não. Penso que podemos estabelecer moralidade sem teologia. Mas amo a definição de Deus do filósofo holandês Spinoza (1632-1677). Ele admite experiências transcendentais, mas não as justifica a partir da existência de um Deus abraâmico. Para ele, Deus e a natureza — o próprio universo — são a mesma coisa.

É possível ser um "ateu com alma", como o personagem principal de seu livro, o psicólogo Cass Seltzer? Sim, é possível. O que faz de Cass meu herói ateu é que ele se mostra aberto a experiências transcendentais. É esse amor pelo universo que se expressa tão facilmente como religião. É aquela sensação grandiosa, magnífica, difícil de verbalizar, que às vezes nos toma completamente. É o combustível da grande arte, por assim dizer. É algo que o mundo secular não consegue traduzir ainda. Mas isso é porque o idioma religioso está pronto. A humanidade está há milênios exercitando essa linguagem. Já a tradução secular dessas experiências ainda está sendo desenvolvida.

Existe alguma explicação racional para essas sensações transcendentais? Não acho que entendemos o suficiente a mente humana — ainda — para explicar por que somos capazes de experimentar essas coisas grandiosas. É uma área misteriosa. Contudo, não acho que isso coloque o ateísmo em contradição.

Em que diferem as experiências de ateus e religiosos? Filosoficamente, penso que temos muitas personalidades. Quando estamos lidando com questões que estão além de uma resposta definitiva, como a existência de Deus, então nossa 'personalidade filosófica' entra em cena. É a maneira como encaramos o mundo, a forma como nos orientamos. Algumas pessoas escolhem canalizar suas experiências transcendentais em termos religiosos. Outras, em termos seculares. Seja qual for a decisão tomada, precisamos considerar as limitações dos dois lados. Os seculares precisam entender os limites da ciência e tolerar os mistérios. Já os religiosos, que a ciência pretende dar respostas honestas sobre a natureza e não deturpá-la.

Existe um meio-termo? Com certeza. Mas primeiro os ateus têm que acabar com o pedantismo. Eles não têm que ensinar como as pessoas religiosas devem pensar. Isso é revoltante e tem que parar. Além disso, as pessoas religiosas têm que parar de pensar que ateus são imorais e não sabem a diferença entre o bem e o mal, o certo e o errado. Isso é falso - existe toda uma filosofia moral que fez muito bem ao mundo e nos tirou da idade das trevas, por exemplo. Quando os dois grupos deixarem de fazer essas coisas, será ótimo. As pessoas poderão ver que o modo como enxergam o mundo é muito semelhante. Se você é religioso, tente se aproximar de um ateu e entender, sem reservas, como ele enxerga o mundo moralmente, independente de suas convicções fundamentais. Se for ateu, faça o mesmo com uma pessoa religiosa.

O seu livro seria então uma tentativa de pacificar o debate? Com certeza. E as reações das pessoas têm sido muito agradáveis. Tanto de pessoas muito religiosas quanto de ateus fervorosos. Acredito que isso acontece por causa da maneira como apresento os elementos desse debate. A ficção, nesse caso, é sorrateira. O romance é capaz de seduzir pessoas de ambos os lados e superar o preconceito. Ateus e religiosos acabam achando pontos em comum e no fim percebem que concordam mais do que discordam sobre o mundo.

Por que misturar a forma do romance com um apêndice científico? O apêndice do livro mostra como eu penso. Eu queria que ele exercesse uma tensão na história que o precede. É uma forma honesta de mostrar os argumentos mais comuns a favor da existência de Deus e as falácias de cada um deles. Já o romance retrata a emoção que envolve esse debate. A emoção raramente está presente nesses debates justamente por ser tão complicada de retratar. Isso depende do modo como vemos o mundo, as decisões que tomamos, nossa experiência de vida e assim por diante. Tudo isso fica fora das discussões filosóficas sobre a existência de Deus. Contudo, incluí a emoção no formato de romance para servir de contraste ao apêndice. Ao final de tudo, uma nova visão pode emergir do encontro entre os dois lados antagônicos.

Alguns ateus consideram pessoas religiosas intelectualmente inferiores, e alguns religiosos consideram imorais os ateus. Qual a sua opinião? É algo muito, muito triste. As duas afirmações são falsas. Venho de uma família judaica muito religiosa. E muitos de meus parentes religiosos são muito mais espertos do que eu, que sou ateia. Por isso, sei que experimentar o mundo de um jeito religioso e colocar essas sensações na linguagem religiosa não é um sinal de inferioridade intelectual.

Onde a senhora acha que esse debate irá nos levar? Espero que o debate seja respeitoso e honesto. Que as pessoas consigam encontrar as semelhanças e trabalhar a partir daí. A civilização é tudo o que temos.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/36-argumentos-para-a-existencia-de-deus-ou-contra#Pergunta 7

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

É correto orar por animais?



Na Bíblia encontramos os mais diversos tipos de orações, não só quanto a forma, mas também quanto ao conteúdo. A própria coletânea dos salmos é um exemplo disso!

O centro de nossas orações de pedidos deve ser as necessidades humanas e as que dizem respeito à realização do reino de Deus em nossa vida. (Mt 6.33: Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas).

Agora vejamos que relação têm os animais com o homem:

“(Dou) a todos, os animais da terra, a todas as aves dos céus, a tudo que se arrasta sobre a terra e em que haja sopro de vida... (ao domínio humano)” (Gn 1, 30).

O homem é chamado a usar com prudência tudo que Deus lhe deu, inclusive os animais, tendo consciência de que tudo foi feito em função do próprio homem. Nesse sentido orar pelos animais tem fundamento quando se faz relação com os homens. Depois precisamos saber o que pedir a Deus em relação aos animais. Seria inútil pedirmos, por exemplo, que Deus os leve para o céu, uma vez que os animais não possuem alma como nós seres humanos.

Podemos orar pelos animais, porém nunca atribuindo a eles necessidades exclusivamente humanas, tais como salvação, resistência à tentação, etc. Ademais Paulo muito bem diz: “Em todas as circunstâncias dai graças, porque esta é a vosso respeito a vontade de Deus em Jesus Cristo.” (1Ts 5.18).





quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Adoração de Anjos




Haziel, Caliel, Lecabel, Manakel, Mumiah, Ierathel, Omael, Mitzrael, estes são apenas oito nomes de anjos de uma classe de setenta e dois retirados da Cabala Judaica e dispostos no livro Anjos Cabalísticos de Mônica Buonfiglio que, aliás, à época de sua publicação, vendia cerca de três mil exemplares por dia!

Cada um desses anjos, assim como os signos do zodíaco, estão classificados e relacionados aos meses e aos dias da semana, a fim de que os consulentes descubram o seu “anjo da guarda” e a ele preste culto, de acordo com sua data de nascimento. Exércitos de pessoas foram arrebanhadas por essa “nova ordem” cúltica dos fins dos tempos.

Os anjos são invocados, pessoas pregam em nome deles, ministram terapias e evocam curas através de seus poderes. Afirma-se que estão mais próximos de nós do que Deus, e que resolveram revelar-se no fim dos tempos para ajudar a humanidade. O sol ainda não havia se posto no horizonte do ceticismo quando foi eclipsado pelas crenças desenfreadas nos gnomos, duendes e pedras energéticas e, agora, ao que parece, nos anjos.

O sofisma esotérico de que os anjos estão mais próximos de nós do que Deus, e por isso, são intermediadores entre o mundo espiritual e terrenal, não é novo. Na igreja em Colossos (2.18) Paulo debatia contra as religiões de mistério da antiga Grécia que afirmavam que os demiurgos ou aeons (seres espirituais entre os homens e Deus) estavam mais próximos de nós do que Deus. Os gnósticos tentaram introduzir esse falso ensino na igreja cristã. Os iniciados, os conhecedores dos mistérios mais profundos, eram os que cultuavam e reverenciavam os seres angélicos. Na cidade de Colossos, todos conheciam a lenda de que o arcanjo Miguel era o responsável pela existência do rio Lico. Por essa razão, um templo fora construído em sua homenagem às margens do rio da cidade.


Justino Mártir (século II) informa-nos de que alguns crentes veneravam as hostes dos anjos bons. No século IV, o culto aos anjos tornou-se uma prática generalizada entre a cristandade, da qual o arcanjo Miguel era o anjo principal. A proeminência dos seres angélicos nota-se até mesmo na arte da Igreja Medieval, principalmente no período lúgubre da Igreja, descrita pelos iluministas como a “Era das Trevas”. 


Na modernidade ainda jorra um filete acanhado dessa vertente gnóstica nalgumas igrejas cristãs, principalmente pentecostais e neopentecostais. Nessas comunidades, a declaração da presença de um anjo ou uma visão deste arrebata freneticamente os cristãos, muito mais do que a exposição das Escrituras Sagradas. Nessas combalidas comunidades os anjos são canonizados através dos cânticos, dos chavões, da linguagem mítica e hierofânica. Os membros de algumas dessas igrejas são incentivados a terem experiências místicas com seres celestes – evoca-se mais a presença deles do que a do próprio Cristo que os criou (Cl 1.16,17; 2.18). É a igreja perdendo a direção e prioridade na modernidade tardia (Ef 3.10). Todavia, Paulo advertiu a igreja que estava em Colossos contra o culto aos anjos, e principalmente a respeito dos mestres e pregadores itinerantes que, sob a máscara da humildade, deturpavam o direito do próprio Deus – o culto, adoração.


O Apóstolo João, que recebeu na História da Igreja a alcunha de “o Divino”, por ser considerado o mais espiritual e místico dentre os apóstolos, no esplendor da glória que lhe havia sido revelada no Apocalipse, foi repreendido por duas vezes por um anjo, ao prostrar-se aos pés do que lhe falava a fim de adorá-lo: “Vê, não faças isso; sou conservo teu e dos teus irmãos que mantêm o testemunho de Jesus; adora a Deus.” (Ap 19.10 cf. Ap 22.8,9). Isto confirma que os anjos são seres criados, conservos daqueles que guardam o testemunho de Cristo, espíritos que ministram a favor dos que herdarão a vida eterna, e por isso, não devem ser adorados. A verdadeira espiritualidade está na adoração centrada em Deus e somente nEle.


Cabem aqui as sensatas palavras de William Baker que afirmou: “Existe uma única maneira de desmitologizar as fantasias populares a respeito dos anjos – voltar à realidade bíblica”. Não me admiro de que o mundo não conheça a doutrina bíblica dos anjos, pois os próprios crentes a têm ignorado.