terça-feira, 29 de setembro de 2009

GEORGE MÜLLER - UM EXEMPLO A SER SEGUIDO


O gigante da fé, George Müller (1805-1898), nasceu na Alemanha, e converteu-se com idade de 20 anos numa missão morávia. Foi para a Inglaterra em 1829, onde trabalhou para o Senhor até o final de sua vida.

Em 1830, três semanas depois de seu casamento, Müller e sua esposa decidiram abrir mão de seu salário como pastor de uma pequena congregação, e depender exclusivamente de Deus para suas necessidades. Já desde o início, ele tomou a posição que manteria durante todo o seu ministério, de nunca revelar suas necessidades às pessoas, e de nunca pedir dinheiro de ninguém, somente de Deus. Ao mesmo tempo, decidiu que também nunca entraria em dívida por motivo algum, e que não faria reservas, nem guardaria dinheiro para o futuro.

Durante mais de sessenta anos de ministério, Müller iniciou 117 escolas que educaram mais de 120.000 jovens e órfãos; distribuiu 275.000 Bíblias completas em diferentes idiomas além de grande quantidade de porções menores; sustentou 189 missionários em outros países; e sua equipe de assistentes chegou a contar com 112 pessoas.

Seu maior trabalho foi dos orfanatos em Bristol, na Inglaterra. Começando com duas crianças, o trabalho foi crescendo com o passar dos anos, e chegou a incluir cinco prédios construídos por ele mesmo, com nada menos que 2000 órfãos sendo alimentados, vestidos, educados e treinados para o trabalho. Ao todo, pelo menos dez mil órfãos passaram pelos orfanatos durante sua vida. Só a manutenção destes órfãos custava 26 mil libras por ano. Nunca ficaram sem uma refeição, mas muitas vezes a resposta chegava na última hora. Às vezes sentavam para comer com pratos vazios, mas a resposta de Deus nunca falhava.

No decorrer da sua vida, Müller recebeu o equivalente a sete milhões e meio de dólares, como resposta de Deus. Além de nunca divulgar suas necessidades, ele tinha um critério muito rigoroso para receber ofertas. Por mais que estivesse precisando (pois em milhares de ocasiões não havia recursos para a próxima refeição), se o doador tivesse outras dívidas, se tivesse evidência de que havia alguma atitude errada, ou alguma condição imprópria, a oferta não era aceita.

E mesmo quando tinha certeza de que Deus estava dirigindo para ampliar o trabalho, começar uma outra casa, ou aceitar mais órfãos, ele nunca incorria em dívidas. Aquilo que Deus confirmava como sua vontade certamente receberia os recursos necessários, e por isto nunca emprestava nem contraía obrigações sem ter o necessário para pagar.

A seguir, um trecho da sua autobiografia, onde ele define sua posição com relação a dívidas:

Minha esposa e eu nunca entramos em dívidas porque acreditávamos que era contrário às Escrituras (Rm 13.8). Por isto, nunca tivemos contas para o futuro com alfaiate, açougue, padaria ou mercado. Pagamos por tudo em dinheiro. Preferimos passar necessidade do que contrair dívidas. Desta forma, sempre sabemos quanto temos, e quanto podemos dar aos outros. Muitas provações vêm sobre os filhos de Deus por não agirem de acordo com Romanos 13.8.

Alguns podem perguntar: Por que você não compra o pão, ou os alimentos do mercado, para pagar depois? Que diferença faz se paga em dinheiro no ato, ou somente no fim do mês? Já que os orfanatos são obra do Senhor, você não pode confiar que ele supra o dinheiro para pagar as contas da padaria, do açougue, e do mercado? Afinal, todas estas coisas são necessárias para a continuidade da obra.

Minha resposta é a seguinte: Se esta obra é de Deus, certamente ele tanto quer como é capaz de suprir todo o necessário. Ele não vai necessariamente prover na hora que nós achamos que deve. Mas quando há necessidade, ele nunca falha. Podemos e devemos confiar no Senhor para suprir-nos com o que precisamos no momento, de forma que nunca tenhamos que entrar em dívida.

Eu poderia comprar um bom estoque de mantimentos no crediário, mas da próxima vez que estivéssemos em necessidade, eu usaria o crediário novamente, ao invés de buscar o Senhor. A fé, que somente se mantém e se fortalece através de exercitar, ficaria mais e mais fraca. No fim, provavelmente acabaria atolado em grandes dívidas, sem perspectiva de sair delas.

A fé se apóia na Palavra Escrita de Deus, mas não temos nenhuma promessa de que ele pagará nossas dívidas. A Palavra diz: "A ninguém fiqueis devendo coisa alguma" (Rm 13.8), e: "Quem nele crer não será de modo algum envergonhado" (1 Pe 2.6). Não temos nenhuma base bíblica para entrar em dívidas.

Nosso alvo é mostrar ao mundo e à igreja que mesmo nestes dias maus do tempo do fim, Deus está pronto para ajudar, consolar, e responder às orações daqueles que confiam nele. Não precisamos recorrer a outras pessoas, nem seguir os caminhos do mundo. Deus tanto é poderoso, como desejoso, de suprir todas nossas necessidades no seu serviço.

Consideramos um precioso privilégio continuar a esperar no Senhor somente, ao invés de comprar mantimentos no crediário, ou de emprestar de bondosos amigos. Enquanto Deus nos der graça, olharemos somente para ele, mesmo que de uma refeição para a próxima tivermos que depender do seu suprimento. Já faz dez anos que trabalhamos com estes órfãos, e ele nunca permitiu que passassem fome. Ele continuará a cuidar deles no futuro também.

Estou profundamente consciente da minha própria incapacidade e dependência no Senhor. Pela graça de Deus, minha alma está em paz, embora dia após dia tenhamos que esperar a provisão milagrosa do Senhor para nosso pão diário.

Extraído da Revista Impacto (www.revistaimpacto.com.br), nº 25.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A PRIMEIRA POLÊMICA CRISTÃ E A HUMILDADE DE PEDRO



Texto de José Reis Chaves

O Cristianismo surgiu entre os Apóstolos e primeiros discípulos de Jesus como sendo uma espécie de seita judaica, pois, naquela época, em sua maioria esmagadora, quase todos os habitantes da Palestina eram judeus, inclusive o próprio Mestre dos Mestres.
Destarte, foi inevitável a sua judaização, mormente quando ele começou a ser instituído. E é sobre esse tema que dedicamos estas linhas, embora devamos reconhecer que houve também nele outras influências religiosas - como as há até hoje -, notadamente as oriundas das Culturas e Filosofias Grega, Zoroastrista e Maniqueísta.

Dos grandes líderes dos primórdios do Cristianismo, destacam-se Pedro e Paulo. Este, mais afoito, já que era dotado de uma inteligência de gênio, assimilou mais de pronto e mais a fundo a Mensagem Evangélica de Jesus, enquanto que aquele, um simples pescador, além de ser muito humilde - não tanto de recursos materiais, mas, de virtude -, parece ter sido tomado de uma certa dificuldade para se libertar, totalmente e de imediato, das Leis Mosaicas.

Assim é que, por ser a prática ritualística da Circuncisão uma das características fundamentais do Judaísmo - e ainda hoje o é - , não deu outra na conversão dos judeus ao ainda mal estruturado e frágil Cristianismo: uma grande parte dos judeus recém-convertidos a ele, por estar ainda muito apegada às tradições da Lei Antiga, entendeu e passou a ensinar que quem não era judeu e, portanto, não circuncidado, deveria submeter-se, primeiro, a esse importante ritual judeu, como sendo uma espécie de um tirocínio, antes de se converter ao Cristianismo.

Havia, pois, dois blocos de cristãos: o dos apegados à exigência incondicional da Circuncisão, e o dos que a consideravam dispensável à conversão ao Cristianismo. E essa polêmica passou a atingir, principalmente, os gentios (povos pagãos, ou não judeus), que não eram, pois, circuncidados, tornando-se um problema sério para esses povos abraçarem a Nova Doutrina, já que simpatizavam com ela, mas não aceitavam a Circuncisão.

E esse problema passou a ser sentido bem de perto por Paulo, o Apóstolo dos Gentios, porquanto era ele o líder cristão dos pagãos, isto é, daqueles povos de nações distantes da Palestina, o que vale dizer daqueles povos completamente desligados da influência dos costumes judaicos, entre eles, o da Circuncisão.
E Paulo não teve dúvidas. Apesar de ter até circuncidado Timóteo – o que fez para não escandalizar judeus gregos, segundo ele mesmo no-lo afirma -, passou quase a desmoralizar a Circuncisão, a qual para ele era simplesmente uma mudança exterior, material, enquanto que os cristãos deveriam primar por uma mudança interior, do Eu Espiritual.

E tanto Paulo criticava a Circuncisão, como criticava os seus adeptos. E, talvez, tenha-lhe faltado até um pouco de humildade, o que, conforme à nossa menção acima, era uma virtude especial de Pedro.

E o certo é que São Paulo, de tanto esbravejar, assim, contra a Circuncisão, e de tanto mostrar a sua inutilidade, ao mesmo tempo em que criticava seus defensores, acabou mostrando-nos que São Pedro liderava o bloco oposto a ele, ou seja, o dos circuncisos, sendo o pregador do Evangelho para eles, enquanto que ele, Paulo, o era dos incircuncisos Isso, que estamos afirmando, consta de Gálatas 2:7. É, pois, o próprio Paulo que nos fala desses dois blocos e dessas duas lideranças, exercidas na pregação do Evangelho, por ele e por Pedro, aos seus respectivos subordinados, isto é, os incircuncisos e os circuncisos.

E, quando destacamos a virtude da humildade de Pedro, temos um motivo para isso, pois tudo o que sabemos sobre essa polêmica envolvendo os cristãos daquele tempo, afeiçoados da Circuncisão e os que passaram a renegá-la, chegou-nos através da fala paulina encontrada em suas Epístolas e em Lucas, em Atos, já que o humilde Pedro não nos deixou registrada uma palavra, sequer, a favor da Circuncisão e dos seus correligionários, ou contra a Incircuncisão e os seus defensores liderados por Paulo. Mas este, como vimos, não poupou críticas a seus adversários.

Esse assunto sempre causou um certo mal-estar nos teólogos cristãos, que, geralmente, evitam fazer abordagem dele, pois ele nos mostra a fragilidade dos próprios dois grandes Apóstolos de Jesus, e que, no entanto, escreveram partes das mais importantes da Bíblia, ou mais precisamente, do Novo Testamento, fato esse que traz certas dúvidas para o cristão.

O Concílio de Jerusalém, em 49, teve por objetivo principal resolver essa polêmica. E, quando todos esperavam que Pedro, ao tomar a palavra, fizesse uma veemente condenação do bloco dos incircuncisos, nem aí a sua humildade deixou de vir novamente à tona, pois não mencionou uma só palavra sobre esse assunto. E esse seu virtuoso e respeitado silêncio serenou os ânimos.

Daí em diante, é verdade que ainda houve entreveros entre os dois blocos adversários, mas, aos poucos, prevaleceu o ponto de vista Paulino, graças à humildade de Pedro, sem a qual o Cristianismo ter-se-ia rachado ao meio, antes mesmo de acabar de ser instituído!

José Reis Chaves é escritor, palestrante, radialista e professor de Português e Literatura, formado na PUC-Minas.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O EVANGELHO QUE INCITA A GANÂNCIA



"Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado;

Todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação."
Habacuque 3.17,18

O evangelho distorcido de alguns pregadores e igrejas insistem em enfatizar uma mensagem triunfalista. Aos berros, demonstram que temos de estar insatisfeitos em todo o tempo. Incitam uma guerra com Deus, onde devemos exigir cada vez mais.

O interessante é que estas exigências são de "bençãos materiais".

Vale mais pra essa "cambada" o testemunho que um crente ficou rico do que a salvação de uma alma.

O vídeo abaixo The Black Hole (O Buraco Negro), mostra muito claramente como a ganância pode dominar uma pessoa.



Fonte do texto abaixo: www.ganancia.com.br
(acesso em 17/09/09)

1) Caráter

"O caráter determina como uma pessoa usa a sua inteligência". Um homem vai agir nas oportunidades que se apresentam e reagir às circunstâncias de acordo com seu caráter, que é moldado por seus valores. Por isso, é muito importante que uma pessoa defina conscientemente seus princípios, valores e convicções, pois disso depende a sua vida.

"Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida". Pv 4:23

2) A ganância escraviza e aprisiona

É fato que o homem naturalmente tem seu caráter corrompido. A ganância é definida na Bíblia como pecado (Ef 5:5). Ela já está lá no coração do homem.
Observando a História da humanidade, em qualquer época, em qualquer lugar, percebe-se como ela está presente, e o estrago que causa. Quantos homens foram consumidos pela ganância.

"Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância..." Lc 12:15a

"Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vem de dentro e tornam o homem 'impuro'". Mc 7:21-23

3) Colhemos o que plantamos

É certo que vamos colher o que plantamos. Não é possível colher algo diferente. Não temos como escapar desse fato. A questão é que nos enganamos a nós mesmos, pensando que seremos uma exceção. Mas, no tempo oportuno, quando menos esperamos, acabamos colhendo o que plantamos.

"Nenhuma árvore boa dá fruto ruim, nenhuma árvore ruim dá fruto bom. Toda árvore é reconhecida por seus frutos. Ninguém colhe figos de espinheiros, nem uvas de ervas daninhas. O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração". Lc 6:43-45

"Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá". Gl 6:7

4) O pecado gera a morte

No vídeo, vimos como a ganância dominou um homem. Mas assim acontece, efetivamente, com qualquer pecado, que gera a morte, ou seja, separação eterna de Deus.

"Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: 'Estou sendo tentado por Deus'. Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Cada um, porém, é tentado pelo próprio mau desejo, sendo por este arrastado e seduzido. Então esse desejo, tendo concebido, dá à luz o pecado, e o pecado, após ter se consumado, gera a morte". Tg 1:13-15

Há solução para o problema do pecado?
Todos são pecadores. "Não há nenhum justo, nem um sequer" Rm 3:10b.

"Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus". Rm 3:23

Se você refletir e meditar mais um pouco sobre o que assistiu e leu, certamente obterá mais percepções e aplicações úteis, mas a questão principal que deve ser levada a sério é o problema do pecado, que todas as pessoas precisam resolver em sua vida. O homem, por si mesmo, inclinado naturalmente para o pecado, está condenado à separação eterna de Deus. Que esperança há, então, para ele?

"Pois o salário do pecado é a morte [inferno, separação eterna de Deus], mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, em Cristo Jesus, nosso Senhor". Rm 6:23

Sim, há solução.
Mas a solução não está onde normalmente as pessoas procuram. Para esse problema, o dinheiro não tem valor algum. A religião também não pode salvar. As boas obras também não, pois, por mais que uma pessoa se esforce, não consegue ser boa o suficiente para merecer a salvação. Não há nada que uma pessoa possa fazer, por si mesma, por seus próprios méritos, para obter a salvação da morte eterna.

"Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isso não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie". Ef 2:8-9

Por sua imensa graça, Deus nos dá gratuitamente a solução para o problema do nosso pecado. Essa solução é Jesus Cristo, por meio do que Ele fez por nós.

"Dificilmente haverá alguém que morra por um justo, embora pelo homem bom talvez alguém tenha coragem de morrer. Mas Deus demonstra o seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores". Rm 5:7-8

A única maneira de uma pessoa ser salva da morte eterna gerada pelo seu pecado é através de Jesus Cristo. Ele pagou o preço para que pudéssemos ser salvos e obter a vida eterna no Reino de Deus.

"Respondeu Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim". Jo 14:6

"Não há salvação em nenhum outro, pois debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos". At 4:12

Como obter a salvação?
Aceitando a solução dada por Deus, ou seja, crendo em Jesus.

"Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus". Jo 3:16-18

"Quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não terá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele". Jo 3:36

"E este é o testemunho: Deus nos deu a vida eterna, e essa vida está em seu Filho [Jesus]. Quem tem o Filho, tem a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida". 1Jo 5:11-12

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

O SALMO 119 E A EXCELÊNCIA DA LEI DIVINA



O Salmo 119 é o mais extenso e bem elaborado dos salmos sapienciais acrósticos ou alfabéticos.

A versão Almeida Revista e Corrigida e outras traduções preservam o aspecto alfabético ao imprimir as letras hebraicas no início de cada seção.

O salmo é dividido em vinte e duas seções, uma para cada letra do alfabeto hebraico. Cada seção é composta de oito versículos. Cada versículo no hebraico começa com uma palavra cuja primeira letra é a do cabeçalho da divisão.

Dessa forma, cada um dos versículos 1-8 inicia com uma palavra cuja primeira letra é aleph (a primeira letra do alfabeto hebraico), os versículos 9-19 com palavras que começam com a segunda letra, beth; os versículos 17-24 com a terceira letra, gimel, etc.

O tema dos salmos é a lei gloriosa do Senhor e a sua observância de todo o coração (cf.2,10,34,58,69,145).

O termo hebraico para lei é torah, cujo significado é bem mais amplo do que essa palavra sugere em português.

Torah é, na verdade, a vontade de Deus como foi revelada a Israel.

Esta palavra traz consigo a idéia de orientação, e seu significado básico é ensino ou instrução.

A característica principal deste salmo é a “melodiosa repetição de oito sinônimos da vontade de Deus”.

1) Torah (Lei), 25 vezes: Comumente a palavra aqui indica o bloco inteiro dos ensinos como encontrado nos escritos de Moisés.

2) Piqqudim (preceitos), 21 vezes. Essa palavra, encontrada somente na poesia, é um sinônimo para decreto ou preceito.

3) Huqqim (decretos), 21 vezes: Em hebraico significa “coisas inscritas” e assim estabelecidas na lei.

4) Mitzvah (Mandamentos), 21 vezes: Isso se refere a claras e definidas direções emitidas por Deus.

5) Mishpattim (julgamentos), 19 vezes. Em hebraico significa um compromisso de uma decisão judicial que estabelece um precedente.

6) Dabbar (palavra), 20 vezes. Significa uma revelação, mas também é usada especificamente nos Dez Mandamentos que Deus deu à Israel por intermédio de Moisés.

7) Imrah (dito), 19 vezes. Outra palavra poética, freqüentemente usada em vez de dabar.

8) Derek (caminho), 11 vezes. Uma metáfora para o caminho da vida que o crente deve viver.

domingo, 13 de setembro de 2009

INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA MENSAGEM BÍBLICA



O acróstico do Salmo 119 e a mensagem espiritual para o homem

1) Álefe (Salmo 119.1-8) – A Bênção em Guardar a Lei

Os versículos introdutórios ditam o tom de todo o poema. “Felizes são os irrepreensíveis”, “os perfeitos, retos, sem culpa”, que andam na lei do Senhor.

- Aqueles que seguem os princípios da ação que a sua Palavra estabelece e que o buscam de todo o coração:

a) são verdadeiramente abençoados;
b) andam em seus caminhos;
c) são dirigidos por Deus
O Salmista mostra que está confiante em que o que lê pedir a Deus, Ele fará.

2) Bete (Salmo 119.9-16) – A Palavra Purificadora

Muitos concluem, com base no versículo 9, que o autor do salmo era um jovem. No entanto, existe a possibilidade de que essa expressão reflita o interesse dos mestres da sabedoria no bem-estar dos jovens da nação.

Jovem ou velho, nosso caminho é purificado ao vivermos conforme a palavra de Deus e a escondermos em nosso coração.

3) Guímel (Salmo 119.17-24) – O alvo da vida

O conhecimento e a observância da palavra de Deus são o alvo da vida, e são força e conforto em tempos de desprezo e perseguição.
A palavra de Deus é:

- v.17: fonte de vida
- v.18: visão
- v.19: orientação
- v.20: aspiração

4) Dálete (Salmo 119.25-32) – A grande escolha

Em angústia de espírito, o poeta clama por avivamento “(v.25) A minha alma apega-se ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra”.
Em 2 Crônicas 17.7-10, a Bíblia nos mostra que Josafá produziu um avivamento espiritual em Judá mediante o ensino da Palavra de Deus.

5) Hê (Salmo 119.33-40) – Oração por firmeza

Esta estrofe é composta de uma série de petições centradas no desejo do salmista por instrução e entendimento e na ajuda de Deus.
Mais profundo do que a informação é o entendimento, que leva à obediência da lei de todo coração (v.34)

6) Vav (Salmo 119.41-48) – Não há vergonha da Palavra

A sexta estrofe continua com expressões de anseio e desejo por auxílio e orientação que vêm através da Palavra de Deus.
“O v.48 Também levantarei as minhas mãos para os teus mandamentos, que amo, e meditarei nos teus estatuto”

7) Zain (Salmo 119.49-56) – A Palavra que dá Vida. Em meio às dificuldades, o salmista encontra esperança e consolação na Palavra de Deus.
“(v.50) Isto é a minha consolação na minha angústia, que a tua promessa me vivifica”.

8) Hete (Salmo 119.57-64) – A Companhia dos Comprometidos

Deus e sua Palavra são o principal tesouro do salmista, e o trouxeram para uma comunhão com os tementes a Deus entre o seu povo.
O salmista encontrou companheirismo com todos os que temem ao Senhor e guardam os seus preceitos.

9) Tet (Salmo 119.65-72) – O valor da aflição

O autor aprendeu o valor disciplinador da aflição. O castigo que foi difícil de suportar produziu “um fruto pacífico de justiça (Hb 12.11)”.
A aflição lhe ensinou a obedecer “Antes de ser afligido, eu me extraviava; mas agora guardo a tua palavra”.

10) Iode (Salmo 119.73-80) – O clamor pela integridade da Alma

Os caminhos do Senhor com o seu povo são encorajamento para os justos e confusão para os ímpios.
O salmista sabe que é beneficiário da providência e bondade de Deus.
Foi Deus quem o fez, e ele, portanto, deseja ser ensinado por Ele.

11) Kaf (Salmo 119.81-88) – Apoio sob pressão

O salmista está em profunda dificuldade, possivelmente em virtude de uma doença e por causa da perseguição ativa daqueles que são inimigos da retidão.
Sua alma está desfalecida, seus olhos fracos, enegrecido, enrugado e quase irreconhecível.
Estava sob forte pressão de seus inimigos.
v.88 Vivifica-me segundo a tua benignidade, para que eu guarde os testemunhos da tua boca.

12) Lâmede (Salmo 119.89-96) – A inabalável Palavra de Deus

Embora as circunstâncias e o conhecimento dos homens mudem e sejam inconstantes, a Palavra do Senhor permanece no céu para sempre.
v. 89 Para sempre, ó Senhor, a tua palavra está firmada nos céus.
v. 90 A tua fidelidade estende-se de geração a geração; tu firmaste a terra, e firme permanece.

13) Mem (Salmo 119.97-104) – Sabedoria por meio da Palavra

O valor da lei do Senhor em conceder sabedoria e entendimento ao obediente é o tema dessa estrofe.
Ao meditar nos ensinos da Palavra de Deus, o salmista havia recebido sabedoria maior que a dos seu inimigos (cf vv.97,98)
97 Oh! quanto amo a tua lei! ela é a minha meditação o dia todo.
98 O teu mandamento me faz mais sábio do que meus inimigos, pois está sempre comigo.
99 Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, porque os teus testemunhos são a minha meditação.

14) Nun (Salmo 119.105-112) – A Luz da Vida

A palavra de Deus oferece luz para o caminho, passo a passo, ao longo desse caminho.

15) Samech (Salmo 119.113-120) – Caminho de Vida e Caminho de Morte

Aborrecimento à duplicidade.
No Senhor, o poeta encontra segurança e proteção dos ataques contínuos de malfeitores.
Para ele, esperança e segurança só são encontrados no Senhor.

16) Ain (Salmo 119.121-128) – Tribulação e Testemunho

No meio da opressão e da tribulação, o salmista testifica da sua lealdade à lei de Deus e ora por um suporte contínuo.

17) Pê (Salmo 119.129-136) – Liberdade à Luz da Lei

O poeta acha os testemunhos do Senhor maravilhosos e por isso os guarda.
Uma vida de acordo com o padrão de Deus será livre do domínio de qualquer tipo de iniqüidade. Aqui temos no Antigo Testamento uma oração pela perfeição do Novo Testamento.
Encontramos a libertação da opressão do homem e o favor contínuo de Deus aos que guardas os seus estatutos.

18) Tsadê (Salmo 119.137-144) – A justiça duradoura de Deus

A justiça, pureza e verdade da lei de Deus eram responsáveis pelo profundo amor e reverência do salmista.
v.137 Justo és, ó Senhor, e retos são os teus juízos.
v.140 A tua palavra é fiel a toda prova, por isso o teu servo a ama.

19) Cofe (Salmo 119.145-152) – A verdade ajuda a vencer a dificuldade

Profundamente angustiado, o poeta promete obediência à Palavra de Deus, e clama por ajuda.
v.145 Clamo de todo o meu coração; atende-me, Senhor! Eu guardarei os teus estatutos.
v.146 A ti clamo; salva-me, para que guarde os teus testemunhos.

20) Rexe (Salmo 119.153-160) – Oração por avivamento e Livramento

A petição: vivifica-me, repetida três vezes (154,156,159), domina esse clamor por livramento dos perseguidores.
Otras versões também traduzem “preserva minha vida”, “conserva-me vivo”, “dá-me vida”.

21) Chin (Salmo 119.161-168) – Perseguido, mas em Paz

O salmista experimenta paradoxalmente a paz em meio à perseguição e todo o tumulto envolvido.

22) Tav (Salmo 119.169-176) – Oração por Ajuda e Orientação

Em oração e súplica, o salmista conta com a palavra do Senhor.
Seus lábios e sua língua serão colocados a serviço da Palavra.
Escolheu os preceitos de Deus, tem desejado a sua salvação e seu prazer está na Lei de Deus.
v. 174 Anelo por tua salvação, ó Senhor; a tua lei é o meu prazer.

Fonte: CHAPMAN, Milo L., PURKISER, W.T., WOLF, Earl C., HARPER, A.F.
Comentário Bíblico Beacon. Volume 3. CPAD.

sábado, 12 de setembro de 2009

A BÍBLIA NA NOVA ORTOGRAFIA



Impacto da reforma ortográfica nas Escrituras é bem
pequeno e corresponde a apenas 0,15% de
mudanças no vocabulário do texto bíblico.

Se você ainda não se adaptou
ao Novo Acordo Ortográfico da Língua
Portuguesa, não precisa se desesperar.
Embora as mudanças na escrita
tenham começado a valer desde 1º
de janeiro deste ano, a população terá
até o fim de 2012 para se adaptar às
novas regras (veja guia na página ao
lado). Além disso, segundo estimativa
do Ministério da Educação, apenas
0,5% do vocabulário brasileiro será
alterado. No Brasil, a reforma padroniza
o uso do hífen e traz modificações
na acentuação. As novidades na
grafia também já podem ser notadas
na literatura bíblica. Desde junho do
ano passado, quando foi assinado o
novo acordo ortográfico, a Sociedade
Bíblica do Brasil (SBB) iniciou a adaptação
dos textos de suas publicações.
Lançados em dezembro
último, os nove volumes da coleção
didática Estudando com a Bíblia
foram os primeiros a sair com as novas
normas da língua portuguesa. Alguns
títulos bíblicos infantis também já
passaram por revisão, assim como
uma nova edição econômica da
Bíblia Sagrada na Nova Tradução na
Linguagem de Hoje (NTL H).
“Inicialmente, priorizamos a
revisão de algumas Bíblias, em especial
das publicações infantis, que
atendem especialmente ao público
escolar”, afirma Denis Timm, gerente
editorial da SBB.
Segundo ele, a atualização de
Bíblias com a nova grafia seguirá
um cronograma dividido
em duas etapas. A primeira
envolve todos os lançamentos,
atuais e futuros,
que serão publicados
dentro da reforma. Paralelamente,
os projetos
editoriais já em circulação
serão gradualmente atualizados, à
medida que venham a ser reimpressos.
“Como a reforma prevê que as duas
grafias continuem válidas até 2012,
por algum tempo continuarão a ser
impressas Bíblias nas duas grafias, sem
qualquer prejuízo para a mensagem
bíblica”, enfatiza Timm.

Impacto ínfimo

Assim como no vocabulário
geral da língua, o impacto da reforma
ortográfica na Bíblia não é significativo.
“Fizemos um levantamento de quantas
palavras sofreriam alteração dentro
do universo de um texto bíblico e
a conclusão é que apenas cerca de
0,15% das palavras sofreriam algum
tipo de mudança”, contabiliza o
gerente editorial.
A s três traduções bíblicas –
Almeida Revista e Atualizada (RA),
Almeida Revista e Corrigida (RC) e
Nova Tradução na Linguagem de Hoje
(NTLH) –, já tiveram os respectivos
textos-base revisados. Na tradução
de Almeida Revista e Atualizada, por
exemplo, houve mudanças em 1.100
palavras, o equivalente a 0,15% de
seu conteúdo total. Mesma média
de alterações foi realizada na NTLH.
“Cerca de 85% das mudanças nos
textos bíblicos englobaram o fim
do trema e também do acento em
palavras terminadas com o ditongo
‘éi’, como Galileia, Judeia e hebreia”,
explica Timm.
Para ele, os leitores das
Escrituras não terão tantas dificuldades
em assimilar a perda do acento em
algumas palavras bíblicas tradicionais.
“Não haverá diferença. É mais difícil
para o escritor entender a mudança
ortográfica do que para o leitor.
Ele vai continuar a ler e entender
naturalmente. Inicialmente poderá
até estranhar que Galileia perdeu o
acento, ou achar ainda que a correção
feita é um erro, mas isso faz parte do
processo.”

Fonte: Revista A Bíblia no Brasil - Sociedade Bíblica do Brasil
Edição no. 224 - julho à setembro de 2009 - página 22

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

MODISMOS EVANGÉLICOS



Entrevista cedida a Revista “Resposta Fiel”, ano 5, nº 17, p. 10-12, por Paulo Romeiro.

RF – Quais foram os principais modismos teológicos dos últimos tempos que causaram maiores estragos ao povo de Deus no Brasil?

PR – A Teologia da Prosperidade é um, depois outras doutrinas que foram aparecendo como a Quebra de Maldição Hereditária, o G-12 e as distorções na área de batalha espiritual, porque a ênfase passa a ser nos demônios, em espíritos territoriais. São várias as distorções na área de batalha espiritual. Vimos também os abusos na área dos milagres. E como combater isso? Só existe um meio: com a Bíblia. É preciso voltar aos fundamentos, ao básico, à Palavra de Deus.

RF – Recentemente entrevistamos o professor James Packer, que nos disse que a Teologia da Prosperidade já não tem força nos EUA como antes. O senhor acredita que a Teologia da Prosperidade ainda terá muito fôlego no Brasil e na América Latina?

PR – Ela terá por causa da tirania do mercado. Ela precisa de dinheiro para sobreviver e as igrejas que pregam a Teologia da Prosperidade conseguem arregimentar a multidão. Essa doutrina prega o que as pessoas querem ouvir. Ela oferece uma ajuda imediata para problemas imediatos. “Você, que não consegue casar, vem aqui e vou lhe arranjar um parceiro”. Ou “Você, que não consegue prosperar, faz a corrente aqui e vai prosperar”.

RF – Quem é o culpado pela ênfase nas soluções imediatas para os problemas?

PR – Esse é o grande problema. Muitas igrejas não pregam mais a Salvação. Elas pregam a solução de problemas. Mudaram o foco. Elas não têm, por exemplo, um trabalho a médio e longo prazo com os seus membros, porque aí precisam falar de vida eterna. Você já viu, por exemplo, essas igrejas falarem sobre Céu, Santificação e Volta de Cristo? Tem pregador que nem quer que Jesus volte, porque ele está tão bem na vida hoje que a Volta de Cristo irá estragar os planos dele.

RF – O senhor tem falado ultimamente que tem aumentado no Brasil o número de crentes desiludidos e frustrados com a fé cristã por terem acreditado na Teologia da Prosperidade. Como tratar os crentes nessa situação?

PR – Os pesquisadores e sociólogos chamam isso de “trânsito religioso”. Há uma igreja em trânsito hoje. São milhares e milhares de crentes, talvez milhões, que não conseguem mais parar em igreja nenhuma. Eles transitam. Qual a igreja que oferece a melhor proposta ou o melhor entretenimento? Qual a igreja que vai oferecer o melhor show daquele fim de semana?

Converti-me ao Evangelho em 1971 e, naquela época, nunca esperava que um dia algumas denominações chamassem um culto evangélico de show. Agora tudo é show. Há igrejas que só funcionam como shows. É a forma de prender a multidão. “Olha, hoje à noite tem fulano de tal, amanhã tem beltrano e depois aquele outro”, e não pára. Porque, se parar, o povo vai embora.

RF – E como tratar um crente assim?

PR – É preciso ensino da Palavra, porque as pessoas que saem dessas igrejas chegam cheias de ensinos distorcidos. Elas chegam falando, por exemplo: “Fulano foi ungido pastor”. Mas na Bíblia não existe unção para pastor. Na Bíblia as pessoas eram ordenadas ao ministério por imposição de mãos, e não ungidas, e a unção não é privilégio de um grupo. Eles vêm cheios desses cacoetes “Eu declaro”, “Eu reivindico”, “Eu não aceito”, “Eu determino”, “Eu decreto”, chegam com distorções doutrinárias.

Aí você tem que ensinar à pessoa que o fato de ela estar em crise não quer dizer que é amaldiçoada. Nunca vi isso. Essa coisa de determinar tudo é falta de ensino. Terão também que repensar a questão do sofrimento, que faz parte da Teologia. Muitos pensam que não existe sofrimento para o crente. O crente não pode adoecer, sofrer, ter dívidas etc.

Às vezes fico pensando: até que ponto a pessoa pode acreditar na aguinha em cima do rádio, na cruz pregada na parede, nos sabonetes ungidos…batismo no Espírito Santo com pó de ouro! Há ainda o tapete ungido, a campanha para os adeptos ganharem na loteria etc. O ser humano tem a habilidade de crer em qualquer coisa.

O discipulado é também muito importante. Esses crentes passam a viver uma crise de conversão. As igrejas por onde passaram são fortes na sua ação evangelizadora, atraem o povo, mas são fracas na sua ação discipuladora. Elas não conseguem mais discipular. Porque, para discipular, gasta-se tempo, envolvimento, e isso não existe mais.

Além disso, muitos pregadores de hoje vivem no avião, falam com as pessoas da tevê, não têm mais relacionamentos, a não ser com empresários. Precisamos ajudar as pessoas a crescerem para que possam ajudar outras depois. Uma coisa muito importante ainda é o acolhimento. É preciso acolher essas pessoas, não olhá-las com suspeitas, porque, na verdade, elas já se decepcionaram onde estiveram.

RF – O Movimento Pentecostal foi, sem dúvida, um dos últimos avivamentos que a igreja experimentou nos últimos séculos, afetando o crescimento e a História da Igreja no mundo. No final do século 20, uma versão diferente desse movimento surgiu, com modismos sem base bíblica. Deixando de lado esses desvios, quais os benefícios do Movimento Pentecostal para a Igreja, especialmente no Brasil?

PR – A grande contribuição do Movimento Pentecostal foi a evangelização. Ele é o maior movimento evangélico do mundo. Não tem maior. Mas não foi só a AD, outras igrejas também enfatizavam a evangelização.

Hoje, porém, infelizmente, muitas igrejas estão substituindo a evangelização pela competição, pelo proselitismo. Tem muito mais crente mudando de igreja do que pecador aceitando a Cristo. Há igrejas que crescem hoje por competição e não pela evangelização, e com isso aí o Reino de Deus não cresce. Só se muda o peixe do aquário.

RF – O que é preciso para se fazer apologética cristã saudável?

PR – Principalmente equilíbrio. Há pessoas que são apologistas, mas exageradas, sensacionalistas. É preciso amor. Vejo muitos apologistas hostis, atacando as pessoas. Não gosto nem mais de usar o termo seita ou heresia. Acho muito pejorativo. Hoje falo de fenômeno religioso ou movimentos religiosos.

A apologética precisa aprender a construir pontes e não levantar muros. Se ela já chega atirando, o pessoal corre. Os apologistas precisam aprender a dialogar. Não precisa ser hostil. A Bíblia diz: “Falai a verdade com amor”. Além disso, a informação a ser transmitida deve ser apurada.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

CAZUZA, EXEMPLO DO QUE?



Esse cidadão dizia "todos os meus heróis morreram de overdose". E era aplaudido!

Uma psicóloga que assistiu ao filme CAZUZA escreveu o seguinte texto:

Fui ver o filme Cazuza há alguns dias e me deparei com uma coisa estarrecedora.. As pessoas estão cultivando ídolos errados..

Como podemos cultivar um ídolo como Cazuza?

Concordo que suas letras são muito tocantes, mas reverenciar um marginal como ele, é, no mínimo, inadmissível.

Marginal, sim, pois Cazuza foi uma pessoa que viveu à margem da sociedade, pelo menos uma sociedade que tentamos construir (ao menos eu) com conceitos de certo e errado.

No filme, vi um rapaz mimado, filhinho de papai que nunca precisou trabalhar para conseguir nada, já tinha tudo nas mãos. A mãe vivia para satisfazer as suas vontades e loucuras. O pai preferiu se afastar das suas responsabilidades e deixou a vida correr solta.

São esses pais que devemos ter como exemplo?

Cazuza só começou a gravar porque o pai era diretor de uma grande gravadora..

Existem vários talentos que não são revelados por falta de oportunidade ou por não terem algum conhecido importante.

Fiquei horrorizada com o culto que fizeram a esse rapaz, principalmente por minha filha adolescente ter visto o filme.

Precisei conversar muito para que ela não começasse a pensar que usar drogas, participar de bacanais, beber até cair e outras coisas, fossem certas, já que foi isso que o filme mostrou.

Por que não são feitos filmes de pessoas realmente importantes que tenham algo de bom para essa juventude já tão transviada? Será que ser correto não dá Ibope, não rende bilheteria?

Devo lembrar aos pais que a morte de Cazuza foi consequência da educação errônea a que foi submetido. Será que Cazuza teria morrido do mesmo jeito se tivesse tido pais que dissessem NÃO quando
necessário?

Lembrem-se, dizer NÃO é a prova mais difícil de amor.

Não deixem seus filhos à revelia para que não precisem se arrepender mais tarde. A principal função dos pais é educar.. Não se preocupem em ser 'amigo' de seus filhos.

Eduque-os e mais tarde eles verão que você foi a pessoa que mais os amou e foi, é, e sempre será, o seu melhor amigo, pois amigo não diz SIM sempre.'

Karla Christine
Psicóloga Clínica